quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Perspectiva



 Se escolhido alguém for
  (pelos que eventualmente
           o elegerem),
   para ganhar o próprio 
             quinhão
       de compreensão
           e de amor,
          talvez possa 
          reivindicar
           este direito
          por entender 
             ser dele
             credor.


    Poderá ser
      comprado
      ludibriado
     e corrompido,
       diferente 
       de outros
       que a tanto 
       não deram
        ouvido.


     (que se ouça
        a verdade
      sem fantasia
        no âmago
      de cada dia).


   Se eleito não for,
    terá a  invisibilidade...


         De andar
    sem ser percebido
        pelas ruas
        da cidade.


        De andar
       descontraído
        pelas ruas
        da cidade.


        De andar
     sem ter sentido
       pelas ruas
       da cidade.


        De andar
    sem ter querido
       pelas ruas
       da cidade.


      De andar
   sem nenhum gemido
      pelas ruas
      da cidade.
     

     Mas bastaria
       uma palavra,
      uma expressão
         de carinho,
      na mais escura
             noite,
      no mais negro
          caminho.


     Para transformar
          a cega luz
            do sol,
    em resplandecente
              dia.
 

       O silêncio...
       ... o silêncio
        o silêncio...
 
    
      Distanciaria.


     Mas bastaria
     abrir os braços
      para esse que 
  se mostrasse amigo, 
    e a amorosidade
       construiria 
         paredes
      desse abrigo.

 
      Um gesto,
      de simpatia,
      e o inverno
     em primavera
   se transformaria.


      O silêncio...
       ...o silêncio
       o silêncio...


     Distanciaria.


    Mas bastaria
       diminuir
       reservas
     com passos
      pequenos,
   gestos delicados
   e olhos serenos,
       tornando
  suaves as horas
 mesmo em tímidos
        acenos.


        E tudo
  talvez resultasse
  em fundamental
       harmonia.       

         (embora
      a frustração
         que viria)

     O silêncio...
     ...o silêncio
     o silêncio...


    Distanciaria.     


      (nas voltas
       do relógio
       as horas
     cambiantes
  passam os minutos
       em todos
     os instantes).


   (e o comedimento,
       e palavras
      anoitecidas,
       escurecem
      os ponteiros,
  em viradas perdidas).
  
   
      O silêncio...
       ...o silêncio
       o silêncio...


      Distanciaria.
 

       Mas a razão
      cobra atitudes
         nas voltas
        que fazem
       os segundos,
      e sem respostas
        adequadas
   haveria separação
       de mundos.


        Girariam
       e colidiriam
     em intermitente
          agonia.


    O silêncio...
       ...o silêncio
       o silêncio...


      Distanciaria.



Carlos Roberto Husek

Um comentário:

  1. Escrever nem uma coisa
    Nem outra -
    A fim de dizer todas -
    Ou, pelo menos, nenhumas.

    Assim,
    Ao poeta faz bem
    Desexplicar -
    Tanto quanto escurecer acende os vaga-lumes.
    Manoel de Barros

    ResponderExcluir